Fraternidade

Razão não tenho para os homens amar 
Nem eles uma para amar-me têm; 
À sua vileza cego não sei estar 
E toda a vileza também eles vêem. 

Ódio em palavras, por saciar, 
Sabendo já que por todos seria 
Incompreendido; fosse eu falar 
E deles ignoto continuaria. 

Um ódio mútuo que de instinto vem 
Oculto em sorrisos, mal nos suportando. 
A bondade humana, conheço-a bem; 
Odeio os homens, irmãos lhes chamando. 

Alexander Search

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s