Canção da mais alta torre


Canção da mais alta torre
Inútil beleza
A tudo rendida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! que venha o instante
Que as almas encante.

Eu me digo: cessa,
Que ninguém te veja:
E sem a promessa
Do que quer que seja.
Não te impeça nada,
Excelsa morada.

De tanta paciência
Para sempre esqueço:
Temor e dolência
Aos céus ofereço,
E a sede sem peias
Me escurece as veias.

Assim esquecidas
Vão-se as Primaveras
Plenas e floridas
De incenso e de heras
Sob as notas foscas
De cem feias moscas.

Ah! Mil viuvezas
Da alma que chora
E só tem tristezas
De Nossa Senhora!
Alguém oraria
À Virgem Maria?

Inútil beleza
A tudo rendida,
Por delicadeza
Perdi minha vida.
Ah! que venha o instante
Que as almas encante!

Arthur Rimbaud

Anúncios

A Música

Sobre o lugar cortado em mesquinhos gramados,
Square onde todo é correcto, as árvores e as flores,
Todos os bourgeois poussifs que estrangulam os calors
Levam, as quintas-feiras noites, as suas estupidezes jalouses.

– A orquestra militar, no meio do jardim,
Balança os seus schakos em Valse fifres:
– Ao redor, às primeiras filas, desfila gandin;
O notário pendura o seu breloques à números.

Accionistas lorgnons sublinham todos os couacs:
Os gordos escritórios bouffis arrastam as suas gordas senhoras
Junto de do qual vão, oficiosos cornacs,
Aquelas cujos volantes têm ares de propagandas;

Sobre os bancos verdes, dos clubes épiciers reformados
Quem atiçam a areia com a sua bengala à maçã,
Extremamente seriamente discutem os tratados,
Seguidamente avaliam em dinheiro, e retomam: “Em suma! …”
Épatant sobre o seu banco as redondezas dos seus rins,
Bourgeois à botões claros, bedaine flamengo,
Saboreia o seu onnaing onde o tabaco por fios
Ultrapassa – sabe, é do contrabando; –

Ao longo das gramas verdes ricanent os vadios;
E, tornados amoureux pelo canto trombones,
Muito ingénuos, e fumant das rosas, os pioupious
Acariciam os bebés para enjôler as boas…
– Mim, mim, débraillé como um estudante,
Sob marronniers verdes as alertas raparigas:

Sabem-no efectivamente; e giram rindo,
Para mim, os seus olhos muito cheios de coisas indiscretas.
Não digo uma palavra: olho sempre
A carne dos seus pescoços brancos bordados de mechas loucas:
Sou, sob a blusa e frágeis os atours,
A costas divinos após a curva dos ombros.

Encontrei cedo bottine, a parte inferior…
– Reconstruo os corpos, queimado de bonitas febres.
Encontram-me engraçadas e falam-se qualquer parte inferior…
– E os meus desejo brutais penduram-se aos seus lábios…

Arthur Rimbaud

O Pobre Sonho

Talvez uma noite espera-me
Onde beberei tranquilo
Em alguma velha cidade
E morrerá mais contente:

Dado que é paciente.
Se o meu mal demite-se,
Se por acaso tenho algum ouro,
Escolherá o Norte

Ou os países das vinhas? …
– Ah! pensar é indigno,
Dado que é puro perda!
E se redeviens

O viajante antigo,
Nunca auberge verde
Não pode ser-me aberto.

ARTHUR RIMBAUD

Alquimia do Verbo

A mim. A história de mais uma das minhas loucuras.
De há muito que me gabo de
possuir todas as paisagens possíveis e que acho ridículas
as celebridades da pintura e da poesia moderna.

Amei pinturas idiotas, vãos de portas, bugigangas,
panos de saltimbancos, estandartes, estampas baratas,
literatura fora de moda, latim eclesiástico,
livros eróticos sem caligrafia, romances antigos,
contos de fadas, contos para crianças, velhas óperas,
refrões ingénuos, ritmos simplicíssimos.

Sonhei com cruzadas,
com viagens de descobrimento das quais não existiam relatos,
repúblicas sem histórias, guerras de religião sufocadas,
revoluções de costumes, movimentos de raças e de continentes:
acreditei pois em todas as magias.

Inventei a cor das vogais! – A negro, E branco,
I vermelho, O azul, U verde
Determinei a forma e o movimento de cada consoante,
e, com ritmos instintivos,
procurei inventar um verbo poético acessível, custe o que custar,
a todos os sentidos. Guardei a tradução.

Era acima de tudo um esboço. Escrevi os silêncios,
as noites. Anotei o indizível. Firmei vertigens

Arthur Rimbaud

Chanson de la Plus Haute Tour

Oisive jeunesse
À tout asservie;
Par délicatesse
J’ ai perdu ma vie.
Ah! Que le temps vienne
Où les coeurs s’ éprennent.
Je me suis dit: laisse,
Et qu’ on ne te voi:
Et sans la promesse
De plus hautes joies.
Que rien ne t’ arrête
Auguste retraite.
J’ ai tant fait patience
Qu’ a jamais j’ oublie;
Craintes et souffrances
Aux cieux sont parties.
Et la soif malsaine
Obscurcit mes veines.
Ainsi la Prairie
À l’ oubli livrée,
Grandie, et fleurie
D’ encens et d’ ivraies
Au bourdon farouche
De cent sales mouches.
Ah! Mille veuvages
De la si pauvre âme
Qui n’ a que l’ image
De la Notre-Dame!
Est-ce que l’ on prie
La Vierge Marie?
Oisive jeunesse
À tout asservie
Par délicatesse
J’ai perdu ma vie.
Ah! Que le temps vienne
Où les coeurs s’ éprennent!

Canção da Torre Mais Alta

Ociosa juventude
De tudo pervertida
Por minha virtude
Eu perdi a vida.
Ah! Que venha a hora
Que as almas enamora.
Eu disse a mim: cessa,
Que eu não te veja:
Nenhuma promessa
De rara beleza.
E vá sem martírio
Ao doce exílio.
Foi tão longa a espera
Que eu não olvido.
O terror, fera,
Aos céus dedico.
E uma sede estranha
Corrói-me as entranhas.
Assim os Prados
Vastos, floridos
De mirra e nardo
Vão esquecidos
Na viagem tosca
De cem feias moscas.
Ah! A viuvagem
Sem quem as ame
Só têm a imagem
Da Notre-Dame!
Será a prece pia
À Virgem Maria?
Ociosa juventude
De tudo pervertida
Por minha virtude
Eu perdi a vida.
Ah! Que venha a hora
Que as almas enamora!

 

Arthur Rimbaud

Flores

De um pequeno degrau dourado -, entre os cordões

de seda, os cinzentos véus de gaze, os veludos verdes

e os discos de cristal que enegrecem como bronze

ao sol -, vejo a digital abrir-se sobre um tapete de filigranas

de prata, de olhos e de cabeleiras.

Peças ae ouro amarelo espalhadas sobre a ágata, pilastras

de mogno sustentando uma cúpula de esmeraldas,

buquês de cetim branco e de finas varas de rubis

rodeiam a rosa d’água.

Como um deus de enormes olhos azuis e de formas

de neve, o mar e o céu atraem aos terraços de mármore

a multidão das rosas fortes e jovens.

Rimbaud

Angústia

Talvez Ela me faça perdoar as ambições continuamente esmagadas, – que um fim azado repare os tempos de indigência, – que um dia de êxito nos adormeça sobre a vergonha de nossa fatal inabilidade,

(Ó palmas! diamante! – Amor, força! – mais alto que todas as alegrias e glórias! – de qualquer modo, em toda parte, – Demônio, deus, – Juventude deste ser que sou eu!)

Que os acidentes da magia científica e os movimentos de fraternidade social sejam apreciados como a restituição progressiva da liberdade primeva?…

Mas a Vampira que nos faz gentis ordena que nos divirtamos com o quanto nos deixa, ou então que sejamos ainda mais palermas.

Rolar nas feridas, no ar exausto e no mar; nos suplícios, pelo silêncio das águas e do ar assassinos; nas torturas que riem, em seu silêncio atrozmente encrespado.

Rimbaud

Canção da Torre Mais Alta

Que venha, que venha
a hora da paixão.
Tenho tido paciência,
nunca esquecerei.
Temores e dores
para os céus se foram.
E uma sede insana
tolda as minhas veias.
Que venha, que venha
a hora da paixão.
Estou como o campo
entregue ao olvido,
crescido e florido
de joios, resinas,
ao bordão selvegem
das moscas imundas.
Que venha, que venha
a hora da paixão.

Arthur Rimbaud

A ETERNIDADE

 

A ETERNIDADE

 

 

De novo me invade.

Quem? – A Eternidade.

É o mar que se vai

Como o sol que cai.

 

Alma sentinela,

Ensina-me o jogo

Da noite que gela

E do dia em fogo.

 

Das lides humanas,

Das palmas e vaias,

Já te desenganas

E no ar te espraias.

 

De outra nenhuma,

Brasas de cetim,

O Dever se esfuma

Sem dizer: enfim.

 

Lá não há esperança

E não há futuro.

Ciência e paciência,

Suplício seguro.

 

De novo me invade.

Quem? – A Eternidade.

É o mar que se vai

Com o sol que cai.

 

 

L’ETERNITÉ

 

Elle est retrouvée.

Quoi? – L’Eternité.

C’est la mer allée

Avec le soleil.

 

Âme sentinelle,

Murmurons l’aveu

De la nuit si nulle

Et du jour en feu.

 

Des humains suffrages,

Des communs élans

Là tu te dégages

Et voles selon.

 

Puisque de vous seules,

Braises de satin,

Le Devoir s’exhale

Sans qu’on dise: enfin.

 

Là pas d’espérance,

Nul orietur.

Science avec patience,

Le supplice est sûr.

 

Elle est retrouvée.

Quoi? – L’Eternité.

C’est la mer allée

Avec le soleil.

 

Arthur Rimbaud

Adormecido no vale

É um vão de verdura onde um riacho canta

A espalhar pelas ervas farrapos de prata

Como se delirasse, e o sol da montanha

Num espumar de raios seu clarão desata.

Jovem soldado, boca aberta, a testa nua,

Banhando a nuca em frescas águas azuis,

Dorme estendido e ali sobre a relva flutua,

Frágil, no leito verde onde chove luz.

Com os pés entre os lírios, sorri mansamente

Como sorri no sono um menino doente.

Embala-o, natureza, aquece-o, ele tem frio.

E já não sente o odor das flores, o macio

Da relva. Adormecido, a mão sobre o peito,

Tem dois furos vermelhos do lado direito.

 

Arthur Rimbaud

Primeira Tarde

Era bem leve a roupa dela

E um grande ramo muito esperto

Lançava as folhas na janela

Maldosamente, perto, perto.

 

Quase desnuda, na cadeira,

Cruzavas as mãos, e os pequeninos

Pés esfregava na madeira

Do chão, libertos finos, finos.

 

— Eu via pálido, indeciso,

Um raiozinho em seu gazeio

Borboletear em seu sorriso

— Mosca na rosa — e no seu seio.

 

— Beijei-lhe então os tornozelos.

Deu ela um riso inatural

Que se esfolhou em ritornelos,

Um belo riso de cristal.

 

Depressa, os pés na camisola

Logo escondeu: “Queres parar!”

Primeira audácia que se implora

E o riso finge castigar!

 

Sinto-lhe os olhos palpitantes

Sob os meus lábios. Sem demora,

Num de seus gestos petulantes,

Volta a cabeça: “Ora, esta agora!…”

 

“Escuta aqui que vou dizer-te…”

Mas eu lhe aplico junto ao seio

Um beijo enorme, que a diverte

Fazendo-a rir agora em cheio…

 

— Era bem leve a roupa dela

E um grande ramo muito esperto

Lançava as folhas na janela

Maldosamente, perto, perto.

 

Arthur Rimbaud

Ela foi encontrada!

Ela foi encontrada!

Quem? A eternidade.

É o mar misturado

        Ao sol.

 

Minha alma imortal,

Cumpre a tua jura

Seja o sol estival

Ou a noite pura.

 

Pois tu me liberas

Das humanas quimeras,

Dos anseios vãos!

Tu voas então…

 

— Jamais a esperança.

Sem movimento.

Ciência e paciência,

O suplício é lento.

 

Que venha a manhã,

Com brasas de satã,

           O dever

           É vosso ardor.

 

Ela foi encontrada!

Quem? A eternidade.

É o mar misturado

       Ao sol.

 

Arthur Rimbaud

O barco ébrio

Quando eu atravessava os Rios impassíveis,
Senti-me libertar dos meus rebocadores.
Cruéis peles-vermelhas com uivos terríveis
Os espetaram nus em postes multicores.

Eu era indiferente à carga que trazia,
Gente, trigo flamengo ou algodão inglês.
Morta a tripulação e finda a algaravia,
Os Rios para mim se abriram de uma vez.

Imerso no furor do marulho oceânico,
No inverno, eu, surdo como um cérebro infantil,
Deslizava enquanto as Penínsulas em pânico
Viam turbilhonar marés de verde e anil.

O vento abençoou minhas manhãs marítimas.
Mais leve que uma rolha eu dancei nos lençóis
Das ondas a rolar atrás de suas vítimas,
Dez noites, sem pensar nos olhos dos faróis!

Mais doce que as maçãs parecem aos pequenos,
A água verde infiltrou-se no meu casco ao léu.
E das manchas azulejantes dos venenos
E vinhos me lavou, livre de leme e arpéu.

Então eu mergulhei nas águas do Poema
Do Mar, sarcófago de estrelas latescente,
Devorando os azuis onde às vezes – dilema
Lívido – um afogado afunda lentamente;

Onde, tingindo azulidades com quebrantos
Em ritmos lentos sob o rutilante albor,
Mais fortes que o álcool, mais vastas que os nossos prantos,
Fermentam de amargura as rubéolas do amor!

Conheço os céus crivados de clarões, as trombas,
Ressacas e marés: conheço o entardecer,
A aurora em explosão como um bando de pombas,
E algumas vezes vi o que o homem quis ver!

Eu vi o sol baixar, sujo de horrores místicos,
Iluminando os longos túmulos glaciais;
Como atrizes senis em palcos cabalísticos,
Ondas rolando ao longo os frêmitos de umbrais!

Sonhei que a noite verde em neves alvacentas
Beijava, lenta, o olhar dos mares com mil coros,
Soube a circulação das seivas suculentas
E o acordar louro e azul dos fósforos canoros!

Por meses eu segui, tropel de vacarias
Histéricas, o mar estuprando as areias,
Sem esperar que aos pés de ouro das Marias
Esmorecesse o ardor dos Ocenos sem peias!

Cheguei a visitar as Flóridas perdidas
Com olhos de jaguar florindo em epidermes
De homens! Arco-íris tensos como bridas
No horizonte do mar de glaucos paquidermes.

Vi fermentarem pântanos imensos, ansas
Onde apodrecem Leviatãs distantes!
O desmoronamento da água nas bonanças
E abismos a se abrir no caos, cataratantes!

Geleiras, sóis de prata, ondas e céus cadentes!
Naufrágios abissais na tumba dos negrumes,
Onde, pasto de insetos, tombam as serpentes
Dos curvos cipoais, com pérfidos perfumes!

Ah! Se as crianças vissem o dourar das ondas,
Áureos peixes do mar azul, peixes cantantes…
– As espumas em flor minaram minhas rondas
E as brisas da ilusão me alaram por instantes.

Mártir de pólos de zonas misteriosas,
O mar a soluçar cobria meus artelhos
Com flores fantasmais de pálidas ventosas
E eu, como uma mulher, me punha de joelhos…

Quase ilha a balouçar entre borras e brados
De gralhas tagarelas com olhar de gelo,
Eu vogava, e por minha rede os afogados
Passavam, a dormir, decendo a contrapelo.

Mas eu, barco perdido em baías e danças,
Lançado no ar sem pássaros pela torrente,
De quem os Monitores e os arpões das Hansas
Não teriam pescado o casco de aguardente;

Livre, fumando em meio às virações inquietas,
Eu que furava o céu violáceo como um muro
Que mancham, acepipe raro aos bons poetas,
Líquens de sol e vômitos de azul escuro;

Prancha louca a correr com lúnulas e faíscas
E hipocampos de breu, numa escolta de espuma,
Quando os sóis estivais estilhaçam em riscas
O céu ultramarino e seus funis de bruma;

Eu que tremia ouvindo, ao longe, a estertorar,
O cio dos Behemóts e dos Maelstroms febris
Fiandeiro sem fim dos marasmos do mar,
Anseio pela Europa e os velhos peitoris!

Eu vi os arquipélagos astrais! e as ilhas
Que o delírio dos céus desvela ao viajor:
– É nas noites sem cor que te esqueces e te ilhas,
Milhão de aves de ouro, ó futuro Vigor?

Sim, chorar eu chorei! São mornas as auroras!
Toda lua é cruel e todo sol, engano:
O amargo amor opiou de ócios minhas horas.
Ah! que esta quilha rompa! Ah! que me engula o oceano!

Da Europa a água que eu quero é só o charco
Negro e gelado onde, ao crepúsculo violeta,
Um menino tristonho arremesse o seu barco
Trêmulo como a asa de uma borboleta.

No meu torpor, não posso, ó vagas, as esteiras
Ultrapassar das naves cheias de algodões,
Nem vencer a altivez das velas e bandeiras,
Nem navegar sob o olho torvo dos pontões.

 

Rimbaud

As vogais

A, negro, E, branco, I, rubro, U, verde, O, turquesinho.

vossa origem latente hei-de cantar em breve.

O enxame que a zumbir de um pântano se eleve,

A, teu negro veludo esmalta de ouro fino;

E, brancura ideal das tendas cor de neve,

umbelas de alvos reis, lanças de gelo alpino;

I, sangue em jorros, I, púrpura em chamas, hino

de cólera que, a rir, num lábio em flor se atreve;

U, círculo do mar nos glaucos horizontes,

verdes pastos sem fim, rugas sulcando as fontes

dos que buscam da ciência os íntimos refolhos;

O, fanfarras, clarins, trons de vitórias, brados;

O, silêncios azuis de anjos e sóis povoados,

O, clarão vesperal, violáceo, dos seus olhos!

 

 Arthur Rimbaud

Arthur Rimbaud

Jean-Nicolas-Arthur Rimbaud (1854 -1891) nasceu em Charleville – nordeste da França – filho de camponeses humildes. Foi um aluno extraordinário. Supriu as deficiências do meio ambiente com talento incomum. Começou a escrever muito cedo, em latim. Só em 1869, produziu o primeiro poema em francês. Seu professor e mentor Georges Izambard o animou a escrever 22 poemas e aos 16 anos era colaborador do jornal ‘O Parnaso Contemporâneo’. Rimbaud conheceu Paris em 1870, a convite de Verlaine, depois de uma troca de correspondências. Essa acabou por constituir-se como uma das relações humanas mais tumultuosas da história da literatura universal, tendo entrado no seu imaginário cultural. Faleceu em 11 de Novembro de 1891, com 37 anos.

—oOo—

«Tenho dos meus antepassados gauleses os olhos branco-azuis, o cérebro acanhado, a inabilidade na luta. Uso roupas de bárbaro, como eles. Mas não ponho manteiga no cabelo.
Os gauleses eram os esfoladores de animais, os incendiários de ervas mais ineptos do seu tempo.
Deles herdei: a idolatria e o amor ao sacrilégio; – oh, sim, todos os vícios, cólera, luxúria – magnífica, a luxúria – e, sobretudo, mentira e preguiça.
Abomino todos os modos de vida. Patrões e operários, todos rustres, ignóbeis. A caneta na mão vale a mão na charrua…»


—oOo—

Manhã

«Fui eu que tive, um dia, uma juventude adorável, heróica, fabulosa, digna de ser escrita em lâminas de oiro? – excessiva ventura! Por que crime, por que erro mereço a minha fraqueza de hoje? Vós, que julgais que os bichos soluçam de dor, que os doentes desesperam, que a morte tem pesadelos, contai a minha queda e o meu estupor. Eu, não me explico melhor do que um pedinte a entaramelar Paters e Ave-Marias. Já Não sei falar!
No entanto, creio ter findo hoje a relação do meu inferno. Era bem o inferno; o antigo, aquele a que o filho do homem escancarou os portais.
No mesmo deserto, sob a mesma noite, sempre os meus olhos lassos se levantam para a estrela de prata, sem que os Reis da vida, os três magos, coração, alma, espírito, respondam. Quando iremos, para além dos desertos e dos montes, saudar o nascimento do trabalho novo, a nova sabedoria, a queda dos tiranos e dos demônios, o fim da superstição, adorar – nós os primeiros! – o Natal sobre a terra!
O cantar dos céus, a marcha dos povos! Escravos, não amaldiçoemos a vida!»

Partida

Farto de ver.

A visão que se reecontra em toda parte.

Farto de ter.

O ruído das cidades, à noite, e ao sol, e sempre.

Farto de saber.

As paradas da vida. – Ó Ruídos e Visões!

Partir para afetos e rumores novos.

Rimbaud

Os Corvos

Senhor, quando os campos são frios

E nos povoados desnudos

Os longos ângelus são mudos…

Sobre os arvoredos vazios

Fazei descer dos céus preciosos

Os caros corvos deliciosos.

Hoste estranha de gritos secos

Ventos frios varrem nossos ninhos!

Vós, ao longo dos rios maninhos,

Sobre os calvários e seus becos,

Sobre as fossas, sobre os canais,

Dispersai-vos e ali restais.

Aos milhares, nos campos ermos,

Onde há mortos recém-sepultos,

Girai, no inverno, vossos vultos

Para cada um de nós vos vermos,

Sede a consciência que nos leva,

Ó funerais aves das trevas!

Mas, anjos do ar, no alto da fronde,

Mastros sem fim que os céus encantam,

Deixai os pássaros que cantam

Aos que no breu do bosque esconde,

Lá, onde o escuro é mais escuro,

Uma derrota sem futuro.

Rimbaud

A Eternidade

65.jpg 

De novo me invade.
Quem? – A Eternidade.
É o mar que se vai
Como o sol que cai.

Alma sentinela,
Ensina-me o jogo
Da noite que gela
E do dia em fogo.

Das lides humanas,
Das palmas e vaias,
Já te desenganas
E no ar te espraias.

De outra nenhuma,
Brasas de cetim,
O Dever se esfuma
Sem dizer: enfim.

Lá não há esperança
E não há futuro.
Ciência e paciência,
Suplício seguro.

De novo me invade.
Quem? – A Eternidade.
É o mar que se vai
Com o sol que cai.

Arthur Rimbaud